quinta-feira, 30 de junho de 2016

Xavier e as crianças

O Missionário São Francisco Xavier e as Crianças 

1) Família, formação e vocação São Francisco nasceu numa família nobre, muito católica, coberta de glórias e feitos de guerra. Ao contrário dos irmãos que seguiram a tendência da família, ele desprezou a carreira militar para dedicar-se aos estudos. Na verdade, Francisco Xavier nasceu com uma séria vocação para a vida religiosa, vocação que só viria a desabrochar quando conheceu Santo Inácio de Loyola. Este, através da graça, o fez refletir sobre o vazio da vida mundana. Interessante será o catequista mostrar como todos, sem exceção, nascemos com uma vocação. Vocação, nada mais nada menos, significa um chamado de Deus. Lembrar de Abraão, como o Senhor o chamou para ser o Patriarca do povo eleito, do qual nasceria o Messias. Outro exemplo de vocação: Nossa Senhora, chamada a ser Mãe de Deus e de todos os homens. Temos também o exemplo do próprio Santo Inácio, que converteu São Francisco Xavier e fundou a Companhia de Jesus (jesuítas). Através dessa ordem religiosa, os jesuítas converteram milhões de pagãos e ímpios para a fé verdadeira. 

2) Aptidão não é o mesmo que vocação no sentido pleno da palavra É preciso explicar que vocação no sentido pleno da palavra não é uma mera aptidão, é um chamado de Deus. Uma pessoa pode ter aptidão para música, outra para ser professor de matemática, biologia, etc. A vocação dada por Deus é algo muito mais belo e sublime, pois nos torna mais semelhantes a Ele. Se São Francisco Xavier não tivesse correspondido à graça do chamado divino, e fosse, por exemplo, um excelente professor de filosofia, hoje não nos lembraríamos mais dele (já se passaram quase 500 anos). Foi por descobrir sua vocação que Santo Inácio deixou a aptidão dele para a vida militar, e depois abraçou o sacerdócio e a vida religiosa. Se Inácio de Loyola não tivesse correspondido, milhões de pessoas não teriam conhecido o cristianismo. Pode-se também ilustrar o assunto vocação mostrando como Cristo chamou muitos para segui-lo, como os Apóstolos, como Santa Maria Madalena, etc. São Pedro tinha uma grande aptidão para a pesca, mas Nosso Senhor o chamou para ser chefe de sua Igreja. Se São Pedro não tivesse seguido a Cristo, teria morrido pescador... 

3) Viagens missionárias São Francisco Xavier não vestiu nenhuma armadura, nem empunhou nenhuma espada, mas foi um grande soldado de Cristo. Toda a bravura e coragem de um guerreiro se encontravam unidas no seu ardor missionário. Enquanto muitas pessoas vivem preocupadas em fazer dinheiro, ajuntar tesouros, que sem dúvida ficarão para outros, ele passou a vida imitando a Cristo, evangelizando, curando, aconselhando, confortando, em uma palavra, fazendo o bem (At. 10,38). 4) Obstáculos e sofrimentos Importante tratar com os alunos sobre o papel das dificuldades na vida. “Quem vence sem luta, triunfa sem glória”, diz um belo ditado. São Francisco passou por inúmeras dificuldades para evangelizar com sucesso: resistências, perseguições, doenças, ingratidões, traições, etc. Assim é a vida, feita de alegrias e infelicidades. Mas devemos imitar a São Francisco, que não desistia nunca de cumprir sua missão. Se não fosse a morte, ele teria ido para a China fazer apostolado, mesmo sabendo que poderia ser preso e morrer como mártir, já que, naquela época, o imperador proibia que se pregasse a doutrina cristã naquele país. Outra sugestão será de incentivar, de forma natural, os alunos a repetirem para os outros de sua família o que aprenderam na catequese, seguindo o método de São Francisco. Isso, claro, desde que não cause problemas para o aluno. Vocabulário: Aptidão: Capacidade natural para alguma coisa; disposição, habilidade, talento. Ardor missionário: Amor, energia, zelo e entusiasmo para evangelizar e converter. O verdadeiro ardor missionário vem acompanhado das virtudes da fé, esperança e caridade (amor de Deus). Ímpio: Que, ou quem não tem fé; incrédulo, descrente, herege, ateu.