quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

S. Francisco Xavier e a castidade


No Ocidente como no Oriente, a açucena ou o lírio são um atributo constante na iconografia xaveriana até à atualidade. A sua fixação como atributo iconográfico essencial da figura de Xavier está intimamente ligada à cronologia da sua beatificação e da sua canonização. Data de 1619 uma gravura do Padre Sadeler com este atributo, sendo de destacar que a estátua de São Francisco Xavier decorando o interior do Collegio Romano em 1622 segurava a açucena nas mãos. A questão da castidade ou pureza de Francisco Xavier tinha antes sido objeto de especial interesse durante os processos de Cochim em 1556, tendo sido sobretudo divulgada ao grande público, graças à biografia de Inácio de Loyola pelo Padre Ribadeneira, que escreveu: Como observado por Ricardo Fernández Gracia



Ladainha: "Modelo de obediência e castidade, Rogai por nós!"